Mini férias |e as maleitas|

O meu marido trabalha seis dias por semana, praticamente o dia inteiro, e férias são quase nulas. Tem o dia de ano novo, Natal, e 1 de Maio. Férias, teve o ano passado 3 dias, e este ano 4 que juntando à folga somou 5. E quis a ironia que precisamente nesses dias, as coisas não corressem tão bem. Eu comecei a trabalhar há 3 meses e realmente tirar logo férias parecia-me um exagero, mas a patroa foi compreensiva, já que ele nunca tem férias, lá me disse para tirar esses dias também. Eu optei por tirar só 2, a segunda e terça, mesmo porque o pequenino só foi uma semana à creche e achei que 5 dias sem lá ir fariam uma grande mossa. Assim, seriam só 4. 



Enfim, as férias começaram bem. No sábado partimos para Álamo, onde passámos a noite numa roulote à beira do rio Guadiana. Fomos jantar a Alcoutim e visitámos as festas locais, onde não ficámos muito tempo, não havia nada assim de tão interessante e os miúdos (cinco no total) mostravam sinais de cansaço, sono e aborrecimento. 


Na manhã seguinte, ainda parámos em Guerreiros do Rio para um café rápido, onde os miúdos ficaram encantados com a paisagem e os barcos e veleiros que passavam. Depois partimos para a praia fluvial de S. Domingos, onde passámos um dia espetacular. Antes ainda, fizemos uma breve paragem em Mértola onde nos abastecemos de muita fruta (estes miúdos adoram todos fruta!!). 


Já tinhamos passado pela praia fluvial noutras viagens e sempre ficámos com vontade de a visitar, por isso foi com alguma excitação que chegámos todos, adultos e miúdos, mas o mau das férias começou ai também. Depois de uma longa sesta o meu pequenino acordou a arder em febre. E nós ali naquele desterro. Ando sempre com termómetro e supositórios atrás, principalmente em férias, e logo desta vez, foi o que nos esquecemos de meter nas malas. Fiquei tão chateada!!! 


A manhã porém correu muito bem, os miúdos aproveitaram a água calma até mais não. Com bóias, barcos insufláveis (tínhamos dois), colchões de água, enfim... Experimentei remar um dos barcos mas aquilo é bem mais difícil do que parece (nunca o tinha feito antes e cheguei à conclusão que não tenho jeito nenhum para a coisa). Quando o pequenino acordou com febre, sentei-me com ele na beira da água e fui molhando a testa e carinha e isso ajudou a baixar a temperatura. Esperámos mais um bocadinho e depois acabámos por voltar um pouco mais cedo do que o esperado. Mais uma breve paragem em Mértola (na farmácia, claro!) e fizemos-nos a caminho de casa. 

O pequenino melhorou com o ben-u-ron, mas 4h depois voltava a febre em alta. Vá de brufen e passou o resto da noite bem. A manhã também, mas os planos para segunda e terça ficaram-se pelo caminho, mesmo porque na segunda tínhamos que cá estar para a reunião da escola da mais velha, depois passou a febre do miúdo, mas veio a diarreia. Ontem, quarta, já eu ia de volta para o trabalho. Mas, era o ias! Fui eu quem acordou com diarreia. Ainda levei o pequeno à creche e voltei para casa. Mais tarde, chegou a febre também e passei o dia de cama,excepto um bocadinho da tarde em que com o efeito do ben-u-ron, senti-me capaz de sair e ir buscar o pequenino, e encontrar-me com o pedreiro para o orçamento da casa. Foi o último dia de férias do pai. E tirando o fim de semana, foram aproveitadas muito mal. Hoje ainda não fui trabalhar. As maleitas continuam cá por casa. Fui apenas levar o pequeno à creche outra vez e voltei para o ninho. 

Comentários